Federação denuncia desmonte da previdência

Manifestantes fazem ato em frente à residência de Temer em São Paulo / ft: Mídia NINJA

Materiais de campanha editados pela Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) e seus sindicatos filiados alertam trabalhadores para planejamento de desmonte da previdência, que retiraria direitos históricos conquistados pela classe trabalhadora brasileira em processos como a constituição de 1988.

Entre outros ataques, estão previstos “rebaixamento dos valores do teto dos benefícios, adoção de idade mínima para as aposentadorias por tempo de contribuição, desvinculação do valor dos benefícios previdenciários do salário mínimo, desvio dos recursos da Seguridade Social para outros fins e total impulso da previdência complementar privada”, denuncia a moção de repúdio assinada pela diretoria colegiada da Fenasps.

Outras campanhas, como a da Associação Auditoria Cidadã da Dívida divulgam a estrutura de ataques à previdência que travariam o “desenvolvimento socioeconômico a serviço de garantir lucros ao sistema financeiro, apodrecido pela corrupção”.

“Em 2014, o governo federal gastou R$ 978 bilhões com juros e amortizações da dívida pública, uma quantia corresponde a 12 vezes o que foi destinado à educação, 11 vezes aos gastos com saúde e mais que o dobro dos gastos com a Previdência Social”, revela a Auditoria Cidadã da Dívida.

O falso prejuízo
Não é de hoje que a previdência social brasileira é tratada pela mídia e por supostos especialistas como deficitária, através da recorrente utilização do termo “o rombo da previdência”.

Além de analisar dados isolados como o aumento da média da expectativa de vida dos brasileiros – sem tratar outros dados como o surgimento da informática e das redes sociais que elevaram enormemente a produtividade dos trabalhadores -, as campanhas da grande mídia escondem fatos como o desvio de verbas da previdência para construção de obras e a priorização do atendimento dos interesses do capital financeiro em detrimento da proteção social dos trabalhadores.

“Temer quer realizar nova Reforma da Previdência (a última foi feita por Lula em 2003, prejudicando milhares de trabalhadores) e alega que há enorme déficit [prejuízo] nas contas previdenciárias. Isso é uma grande mentira. A previdência é superavitária [dá lucros]”, denuncia carta aberta da Fenasps. A Carta Aberta da federação ainda exige que seja feita “uma grande auditoria nas contas da previdência social

Acesse aqui a moção de repúdio da Fenasps.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.